Campos do Jordão: cultura na montanha

Crédito da imagem: camposonline.com.br/google/nenhuma violação de direitos autorais pretendida”

Há 50 anos Campos do Jordão recebe no mês de julho festivais de música, mas não é só: visitar o Palácio do Governo ou o Museu Felícia Lerner também fazem parte da vida cultural.

Foi o então secretário estadual da Fazenda, Luis Arrobas Martins que, inspirado pelo Festival de Música de Tanglewood, que acontece todo verão no Massachussets, nos Estados Unidos, idealizou o Festival de Inverno de Campos do Jordão.

O mês inteiro de julho é dedicado à música erudita, que acontece no Auditório Cláudio Santoro, com capacidade para mais de 850 pessoas. Mesmo tendo sido concebido para abrigar concertos, o auditório recebe também espetáculos de dança, teatro e shows variados, tanto que nos meses de Setembro acontece o Festival da Viola.

Auditório Cláudio Santoro em Campos do Jordão
Auditório Cláudio Santoro, considerado um clássico da arquitetura.
Crédito: archdaily.com.br/google/ “nenhuma violação de direitos autorais pretendida”

O famoso auditório, projetado pelo renomado escritório de arquitetura Croce, Aflalo e Gasperini, construído com pedras, concreto e vidro, divide seu espaço com o Museu Felícia Leiner, um museu a céu aberto que reúne 85 obras de bronze ou cimento e concreto pintados de branco da escultora polonesa Felícia Leirner.

Felícia se mudou para o Brasil na década de 1920, e trocou São Paulo por Campos do Jordão no começo dos anos 1960, onde viveu toda sua vida. 

Felícia mereceu o prêmio “Melhor Escultor Brasileiro”, na Bienal de São Paulo de 1963, e tem obras em museus internacionais, como o Georges Pompidou, em Paris, ou o Hermitage, na Rússia, entre outros. 

“O que faço: arrumo, desarrumo, corto, emendo, arranjo, furo papel, pano, tudo que estiver ao meu alcance arrumando, desarrumando, modificando. E daí, o que valeu? Valeu o que eu senti e modifiquei”, diz Felícia Leirner.

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, em Campos do Jordão
Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher.
Crédito: Brasilfashionnews.com.br/google/ “nenhuma violação de direitos autorais pretendida”

Talvez pouca gente saiba, mas em uma das casas típicas suíças, no bairro Jaguaribe, fica o Museu Casa da Xilografia, uma instituição privada, sem fins lucrativos, fundada por Antonio Fernando Costella, com a ideia de divulgar e preservar a história da xilografia brasileira.

Museu Casa da Xilografia, em Campos do Jordão
Museu Casa da Xilografia, instalado em uma casa do final dos anos 1920.
Crédito: Cidade e cultura.com/google/ nenhuma violação de direitos autorais pretendida”

Outro passeio imperdível é conhecer o Palácio Boa Vista, residência oficial do governador em Campos do Jordão. Construído na década de 1940, teve sua fachada alterada e hoje lembra um castelo europeu. 

Três décadas mais tarde, o Palácio (que foi sede do primeiro Festival de Inverno) foi sendo decorado com obras de arte de grande valor, e formou um acervo de cerca de duas mil peças entre mobiliário, porcelanas, pratarias, quadros e arte sacra que datam dos séculos entre 17 e 20. 

Palácio Boa Vista, em Campos do Jordão
Palácio Boa Vista, sede do Governo por décadas.
Crédito: saopaulo.sp.gov.br/google/ , jusviajante.com.br/google/ e melhoresdestinos.com.br/google/Denis Carvalho/“nenhuma violação de direitos autorais pretendida”

Oportunidades

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to top
Close Bitnami banner
Bitnami