Imagem aberta, durante o dia, mostra campo de cana-de-açúcar no interior de São Paulo

O Interior de São Paulo é um espetáculo

Graças ao Interior de São Paulo, o Estado se tornou tão poderoso, atraindo empresas, novas opções de moradia e muito capital. 

E onde é esse Interior? Tudo o que não faz parte da Região Metropolitana e não é banhado pelo oceano Atlântico, é considerado Interior de São Paulo, uma potência em termos de economia, educação, cultura, infraestrutura fabril, automotiva, aeronáutica, científica, tecnológica, agrícola e muito mais. 

Interior de São Paulo: vista aérea de prédios de Campinas de noite
Cidade de Campinas by night.
Crédito: upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d8/Campinas_by_night.jpg/“nenhuma violação de direito pretendida”

Para se ter uma ideia, cerca de ¼ do PIB do Interior está ao redor de cidades como Campinas, e outro tanto à volta de Ribeirão Preto, Sorocaba e São José do Rio Preto. 

É essa pujança que atrai cada vez mais empresas em busca de custos menores e espaço para crescer. E moradores atrás de qualidade de vida e estar perto do trabalho.

Reconhecido como a locomotiva do Brasil, não é à toa que só o Interior de São Paulo tenha fechado o ano de 2019 com um PIB na casa de R$ 1,28 trilhões, segundo dados da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), e que regiões como Campinas, Sorocaba, Franca e Itapeva tenham tido uma expansão entre 2,5% e 4%. 

Esses dados colocam o estado no 21º lugar no ranking das maiores economias do mundo, segundo aponta reportagem (de novembro de 2020) do jornal Valor Econômico com base em dados do Banco Mundial, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da Fundação Seade.

O Interior de São Paulo conta com o Aeroporto Internacional de Viracopos, um dos principais do Brasil. Já Ribeirão Preto conta com o Aeroporto Leite Lopes. 

Ambos são reconhecidos como aeroportos de carga, que colaboram no escoamento da produção e outros regionais que ajudam no transporte de carga e passageiros, assim como a hidrovia Paraná-Tietê. Essas ferrovias cruzam todo o estado.

Além disso, também encontramos no Interior de São Paulo o maior e melhor sistema rodoviário do país, que forma uma malha com mais de 100 mil quilômetros de estradas pavimentadas.

Interior de São Paulo: imagem de avião pousado com pôr do sol ao fundo
Aeroporto Viracopos

Com todo esse potencial, o Interior de São Paulo é super procurado, não apenas por empresas, mas também por condomínios, muitos deles de luxo, e tanta gente, depois da experiência pandemia, esteja pensando em trocar a capital pelo Interior, como moradia principal, deixando a cidade como segundo endereço.  

Diversão no Interior de São Paulo: os melhores lugares para conhecer

O Interior do estado mais populoso da União é rico em tudo – até em divertimento.

Entre seus mais de 600 municípios, muitos tem seu lado curtição, sem ser uma cidade turística. São Roque, por exemplo, perto da capital, tem o Roteiro do Vinho e uma curiosa pista de esqui artificial, o Sky Mountain Park, inclusive com gelo, para garantir a diversão.

Boituva chama atenção por ser o point dos balonistas, assim como São Pedro é preferido dos voos de asa delta; Socorro, nos pés da Serra da Mantiqueira, é a sede dos esportes radicais em rios e corredeiras, assim como é Brotas. 

Interior de São Paulo: compilado com três imagens de atividades de lazer. Da esquerda para direita: balão no céu, mulher em caiaque e asa delta : balonismo,
Balonismo em Boituva. Canoagem em Socorro. Asa delta em São Pedro.

Holambra, pertinho de Campinas, foi criada em 1940 por holandeses, e é a cidade das flores, um espetáculo, enquanto Cunha se destaca pelos ateliês de cerâmica artesanal. E em termos de águas medicinais, estamos muito bem servidos com Águas de São Pedro, Lindóia e Olímpia, estâncias climáticas bem charmosas. 

Interior de Sao Paulo: casas coloridas, uma ao lado da outra, na cidade de Holambra
Casinhas de Holambra.
Crédito: skyscrapercity.com/“nenhuma violação de direitos pretendida”

O Interior de São Paulo é puro business

Várias regiões são polo de business: tecnologia, aeronáutica e polo calçadista são apenas alguns deles

Campinas, Piracicaba, Jundiaí, Taubaté, São José dos Campos, Ribeirão Preto, entre outras, se concentram num raio de 150 a 250 quilômetros da capital, cada uma com sua especialidade. 

Juntas são responsáveis por uma economia que equivale à da Nova Zelândia ou do Chile e que corresponde a 15% do PIB nacional, segundo dados da Fundação Seade (Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados). 

A região de Campinas e vizinhança pode ser considerada o Vale do Silício brasileiro, abrigando empresas como Lucent Technologies do BrasilIBMCompaqDell e Hewlett-Packard (isso para não falar das made in Brasil, como o Totvs, Algar, Brasoftware) e outras com sede na capital. 

Interior de São Paulo: imagem aérea do centro de serviços globais da IBM, em Hortolândia
Centro de serviços globais da IBM, em Hortolândia, atende a mais 200 clientes pelo mundo
Crédito: https://www.gazetadopovo.com.br/economia/em-expansao-ibm-mira-polos-no-parana-24vjyto7edcviz5r2p860k5zi/”nenhuma violação de direitos autorais pretendida”

São José dos Campos, Taubaté, Botucatu, Bauru e São Carlos se destacam pelo desenvolvimento espacial e da aviação no país, com um Parque Tecnológico de última geração, voltado para o setor, além das cidades sediarem algumas unidades da Embraer.

Interior de São Paulo: imagem interna da fábrica da Embraer mostra aviões e funcionários
Fábrica da Embraer
Crédito: https://www.ovale.com.br/_conteudo/economia/2019/08/85990–embraer-vai-sempre-buscar-mais-novos-negocios—diz-presidente-da-empresa.html “nenhuma violação de direitos pretendida”

Franca, Avaré e Birigui são polo calçadista, e a qualidade dos produtos made in Brasil é tamanha, que a maioria das criações são para exportação. 

Interior de São Paulo: imagem interna de fábrica em Franca mostra sapatos enfileirados
Fábrica de sapatos em Franca
Crédito: https://economia.uol.com.br/noticias/bloomberg/2016/03/08/com-dolar-nas-alturas-franca-nao-poderia-estar-mais-feliz.htm/ “nenhuma violação de direitos pretendida”

Potencial rural do Interior de São Paulo: terra onde tudo cresce

Pense em um potencial rural forte, solo fértil, água abundante, clima tropical e veja a lavoura prosperando, seja cana, soja, milho, café, laranja, hortaliças… 

O potencial rural do Interior de São Paulo é impressionante, e transforma o estado em um importante polo de agronegócio. São quase 25 milhões de hectares férteis, sendo quase 9 milhões dedicados à agricultura e o restante aos pastos, gerando um PIB de quase R$ 300 bilhões. 

Interior de São Paulo: imagem fechada em mão colhendo grãos de café
Colheita de café.

Precisa falar mais? Como dizem os fazendeiros, em qualquer terrinha, se plantando tudo dá. E qualquer condomínio ou casa nas cercanias é certeza de valorização.

Não é à toa que 50% das Agritechs (startups de agronegócio pequenas, médias ou grandes) brasileiras se estabelecem nas redondezas de cidades com perfil agrícola como Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, São João da Boa Vista, Araçatuba, entre outras. 

Plantação de laranjas no interior de São Paulo
Plantação de laranjas.

Laranja, por exemplo, é produzida em Avaré, Casa Branca, Angatuba; Capão Bonito é a terra do feijão e da soja, enquanto outros grãos se encontram em Itapeva, Itapetininga e São João da Boa Vista. Morro Agudo, Barretos e Jaú podem ser consideradas a terra da cana de açúcar, enquanto o Vale do Ribeira é o berço do arroz. 

Interior de São Paulo. Duas imagens lado a lado. A imagem da esquerda mostra grãos de soja. A imagem da direita mostra cana de açúcar
Celeiro de muita soja. Cana, de onde se extrai açúcar e álcool.

E por aí vai, a safra se espalhando pelo estado (sem esquecer o gado), criando possibilidades de novos empreendimentos imobiliários, de crescimento e florescimento.

Três vacas no pasto em cidade do Interior de São Paulo
Criação de gado leiteiro.

Educação de qualidade: venha estudar no Interior de São Paulo

O Interior de São Paulo é responsável por um terço da produção científica do país, garantindo uma educação de qualidade.

Para alcançar esse ranking, reúnem-se uma variedade de faculdades e universidades reconhecidas nacional e internacionalmente.

Lá pelos idos de 1938, o interventor federal e depois governador da província de São Paulo, Armando de Salles Oliveira, sonhou construir, em parte da fazenda Butantan, uma Cidade Universitária, nos moldes de Harvard, Cambridge, Oxford, Stanford ou da Sorbonne, para citar algumas. 

Não há evolução sem educação. O sonho ficou no papel por inúmeras razões e só se tornou realidade em 1968, uma decisão do regime militar de afastar os estudantes do Centro. 

Os destaques

A Cidade Universitária reúne 20 unidades de ensino, três institutos especializados, dois institutos de pesquisa, entre outras instituições. A Universidade de São Paulo, parte desse grande Campus, é considerada uma das melhores (se não a melhor) da América do Sul.

Interior de São Paulo: vista aérea da Avenida Professor Luciano Gualberto, no campus da USP
Campus USP
Crédito: https://jornal.usp.br/cultura/os-professores-que-dao-nome-as-avenidas-da-cidade-universitaria/ “nenhuma violação de direitos pretendida”

Conforme o Interior do Estado foi se desenvolvendo, começou a atrair Universidades de qualidade. Um dos melhores exemplos é a UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas, que conta com a companhia de outras 17 faculdades e universidades.

Entre elas, a PUC Campinas, a Unip e Facamp – Faculdade de Administração de Empresas de Campinas (uma das mais bem conceituadas pelo MEC (Ministério da Educação). 

Imagens de prédios da Unicamp, no interior de São Paulo.
Pró reitoria de graduação da Unicamp
Crédito: https://www.prg.unicamp.br/elementor-2954/ “nenhuma violação de direitos pretendida”

A cidade de São Carlos forma, com São Paulo e Campinas, uma das mais procuradas por seus cursos superiores como a UFSCar – Universidade Federal de São Carlos e a Escola de Engenharia da USP. 

Na região, Piracicaba e Limeira também são muito bem servidas em termos de escolas superiores. Hoje o Interior de São Paulo é responsável por um terço da produção científica do País.

Outras boas universidades

Marília fica a pouco mais de 400 quilômetros da Capital e é servida por três importantes rodovias que a conectam com o país inteiro, o que facilita o acesso de quem procura uma das oito faculdades que a cidade abriga. 

Relativamente perto está Ribeirão Preto, que tem entre suas dez faculdades um campus da USP. E também Bauru e a Unesp campus Bauru, entre outras escolhas.

Imagem mostra prédio de departamento de engenharia elétrica da Unesp de Bauru, no interior de São Paulo
Departamento de engenharia elétrica da Unesp Bauru.
Crédito: feb.unesp.br/google/ “nenhuma violação de de direitos pretendida”

Em São José dos Campos o destaque é o ITA – Instituto Tecnológico da Aeronáutica, uma das melhores instituições de educação superior do Brasil. 

E como a cidade é polo de tecnologia aeronáutica, outras faculdades engordam a lista de escolha, como a Unesp, três unidades da Faculdade de Tecnologia de São José dos Campos (Etep; Jessen Vidal; Fatec-Expoente), entre outras.

Praia no interior: onde o Interior de São Paulo vira mar

Conheça os lugares que contam com as colinas e brisa do campo, e também com um mar de água doce cercado por terra. 

Jurumirim é uma das maiores e mais belas represas do Interior do Estado, com um volume de água maior que o da Baía da Guanabara. Ela banha dez cidades, entre elas Avaré, um dos points mais concorridos para quem gosta de Interior e água, águas plácidas onde é possível praticar todo tipo de esporte aquático. 

Avaré é conhecida não apenas pelos quilômetros de praias e pelos condomínios que cercam a represa com casas espetaculares. Mas também, pelas plantações de cítricos e cana de açúcar.

Imagem aberta, durante o dia, mostra represa de Avaré, no interior de São Paulo
A orla de Avaré.
Crédito: avare.sp.gov.br/google/ “nenhuma violação de direito pretendida”

Pertinho de São Carlos, no município de Itirapina, fica uma das mais belas represas no Interior paulista. E das mais concorridas em termos de construções de luxo. 

O Broa, represa originada da captação de água dos ribeirões do Lobo e Itaqueri e dos córregos Geraldo e das Perdizes para a construção do reservatório da Usina Hidrelétrica do Lobo que foi inaugurada em 1936.

Por estar em uma região muito bonita, a represa está cercada por praia artificial, condomínios com casas espetaculares, e é lá que fica o Centro de Recursos Hídricos e Ecologia Aplicada (CRHEA) da Escola de Engenharia de São Carlos (USP) do campus I de São Carlos, para a alegria de quem vai estudar em São Carlos. 

Por que o nome Broa? Há quem diga que havia por ali uma senhora que vendia broas de milho deliciosas… será? 

 

Oportunidades

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to top
Close Bitnami banner
Bitnami