Jardim Europa: visão aérea de bairro com casas rodeadas por árvores

Jardim Europa: o bairro mais poderoso de São Paulo

O Jardim Europa é bairro objeto do desejo da maioria das pessoas que quer viver em um bairro tranquilo, arborizado, em casas muito espaçosas e no coração da cidade. 

Incrustado entre a Avenida Faria Lima, que reúne escritórios de empresas poderosas, bancos, serviços e o festejado Shopping Center Iguatemi; a Avenida Europa e seus showrooms de automóveis de luxo; a Alameda Gabriel Monteiro da Silva, pólo de decoração que reúne as mais bacanas grifes do setor; a simpática rua Groenlândia; e segue, pelo outro lado da Avenida Europa, até a Avenida Nove de Julho.

A cidade de São Paulo se desenvolveu a partir do Centro, onde ficava o Palácio do Governo. Subiu em direção a Higienópolis, onde os fazendeiros de café ergueram seus palacetes para temporadas na capital. Arriscou atravessar o espigão da Paulista e descer rumo ao “lado de lá”. Cada um desses passos mostrou-se acertado. 

O Jardim Europa foi criado pela Companhia City em 1922, no rastro do sucesso do lançamento do Jardim América, em 1915. A proposta era criar mais um “bairro-jardim” e o lugar não poderia ser melhor, principalmente depois da retificação do rio Pinheiros.

Neste conteúdo, preparamos um guia sobre tudo que o bairro tem a oferecer. Continue a leitura e surpreenda-se!

Marca registrada do bairro

Ipês rosas florescem no inverno.

Ipês, sibipirunas, flamboyants, jacarandás são algumas das espécies de árvores que sombreiam as sinuosas ruas do Jardim Europa, nas quais os moradores de exercitam, seja a pé, correndo ou de bike – meio de transporte que vem sendo adotado por quem trabalha perto. 

E é nas bordas dos bairro, nas avenidas que parecem proteger quem vive nesse oásis verde, que ficam os clubes, museus, restaurantes transados, supermercados, farmácias e todo tipo de serviço que deve existir pertinho de casa.

Só quem já viveu…

Avenida Faria Lima em dois momentos: 1966 e 2020
Avenida Faria Lima em dois momentos: 1966 e 2020.

Quem já morou no Jardim Europa, sem dúvidas, conheceu o Sirva-se, sabe onde ficava a “casa do general”, um dia tomou sorvete na Brunella, devorou uma deliciosa pizza no Aridino, e terminou a noite tomando café da manhã na padaria Pão Kent.

Além disso, também sabe que a garotada jogava bola pelo “time da Paróquia” e o “flamenguinho da Perpétuo Socorro”, nos campinhos onde hoje está localizado o shopping Eldorado.

E que foi nos idos dos anos 70, quando a Avenida Faria Lima ainda era a Rua Iguatemi, que o perfil do bairro começou a mudar: o rei da noite carioca, Ricardo Amaral, instalou ali a Rick Store, que servia crepes deliciosos, e lançou o conceito danceteria na cidade, ao abrir no primeiro andar do Call Center o Papagaio Disco Club.

Um dos metros quadrados mais caros de São Paulo

Anúncio imobiliário de anos passados, com destaque para a placa decretando o Jardim Europa “bairro de elite” no canto superior esquerdo.

Você sabe qual é o metro quadrado mais caro de São Paulo? Se pensou Jardim Europa, quase acertou. 

O belo e arborizado bairro de ruas tranquilas está em segundo lugar em todos os rankings imobiliários e da revista Exame em 2020. A diferença de valores é mínima, mas o primeiro colocado é a Vila Nova Conceição. Veja.

  • Jardim Europa – R$ 10.190,00 (média);
  • Vila Nova Conceição – R$ 10.310,00 (média).

(dados Grupo SP Imóvel) 

Um pouco de arte

Fachada do casarão que abriga o Museu da Casa Brasileira.

Museus e galerias de arte não faltam nas beiradas do Jardim Europa. 

É no casarão da esquina da Faria Lima com a rua Escócia, antes residência de Fábio da Silva Prado e Renata Crespi, que foi instalado o Museu da Casa Brasileira, ele aborda o tema moradia sob o ângulo da arquitetura e do design. Seus prêmios e concursos rendem exposições imperdíveis. E o restaurante Santinho, nos fundo do casarão, de frente para o belo jardim, é um programa delicioso.

Um dos maiores acervos de cinema, fotografia e música pode ser visto no MIS, Museu da Imagem e do Som, que traz exposições, mostras de cinema e outras atividades audiovisuais imperdíveis.

O imenso terreno na esquina da rua Alemanha com a avenida Europa esconde o MuBe, Museu Brasileiro de Escultura. Enquanto o mais novo membro desse grupo cultural, aberto no final dos anos 1990, é o museu-biblioteca da Fundação Ema Klabin.

Pela alameda Gabriel Monteiro da Silva, a rua da decoração mais antenada da cidade, e suas travessas encontram-se galerias com a melhor arte e fotografia nacional. 

Tudo isso misturado a restaurantes, bistrôs, padarias e cafés descolados, fazem com que o Jardim Europa tenha de tudo logo ali na esquina e, ainda assim, mantenha a tranquilidade típica de um bairro residencial

No Jardim Europa a educação é fundamental

Qual a receita do bairro ideal? Entre os muitos fatores que fazem um bom bairro estão os serviços que ele oferece.

 

Atendimento personalizado para os pequenos.

Como diz o enólogo Carlos Cabral, no programa Momento do Vinho da rádio Alpha FM, “o melhor vinho é aquele que você gosta”, o mesmo se aplica ao bairro onde você quer viver: aquele que você gosta. 

Esta é uma (das muitas) vantagens do Jardim Europa: os vários miolos que o formam são muito arborizados e exclusivamente residenciais, os serviços ocupam as beiradas e as escolas são excepcionais.

Escolas renomadas

Desde o tradicional Externato Madre Alix, instalado na Gabriel Monteiro da Silva em 1951, à recém-chegada Escola Concept – as aulas começaram em 2018 –, que ocupa as instalações do antigo e tradicional Colégio Sacre Couer de Marie. 

Tecnologia de ponta nas escolas atuais.
Tecnologia de ponta nas escolas atuais.

O Madre Alix foi a primeira obra educacional da Associação de Instrução da Juventude Feminina das Cônegas de Santo Agostinho e a Escola Concept é considerada uma “escola do futuro”, devido o método de ensino internacional que aplica.

Isso sem esquecer que, em 1928, instalava-se na rua Juquiá, a St. Paul’s School, voltada para meninos e meninas de famílias inglesas que viviam em São Paulo, que com o passar do tempo passou a aceitar, também, alunos brasileiros.

O Shopping

Até pouco tempo ir ao shopping significava ir ao Iguatemi. E com o passar dos anos ele se transformou no que é hoje: ponto de referência do bairro mais sofisticado de São Paulo.

Fachada do Iguatemi à época de sua inauguração em 1966 e nos dias de hoje.
Foto: divulgação do Shopping Iguatemi

Festa no bairro: Em novembro de 1966, abriram-se as portas do primeiro shopping center do país – o Iguatemi. Se a badalação e as lojas bacanas estavam na rua Augusta, a ideia era criar um novo point e alojar em um único espaço a maior variedade de butiques de moda feminina e masculina, serviços e lugares para “comer uma coisinha”. 

No começo, a empreitada foi olhada com reticência pelos lojistas que, aos poucos, foram sendo conquistados e atraíram consumidores por conta de lojas descoladas como a Via Láctea, que abriram no “mini shopping”. 

De lá pra cá, foi um estica pra cá, cresce pra lá, sofistica o mix de lojas, inaugura cinemas de última geração, praças de alimentação, restaurantes chiquérrimos, lojas de grife internacionais, alta joalheria – tudo embalado por muita segurança. 

Mens sana in corpore sano

O Jardim Europa abriga os melhores clubes de São Paulo, como a Sociedade Harmonia de Tênis, o Clube Athlético Paulistano, o Esporte Clube Pinheiros, e a Hebraica.

Sociedade Harmonia de Tênis

É no Jardim Europa que fica o clube mais fechado e tradicional de São Paulo: a Sociedade Harmonia de Tênis, fundada em 1930 por antigos membros do Clube Athlético Paulistano em parceria com a Sociedade Harmonia de Dança.

A união tinha como objetivo criar na rua Canadá um clube pequeno e exclusivo, com espaço para oito quadras de tênis, uma piscina e uma sede social, que seria frequentado pelas melhores famílias. O tempo passou, o clube cresceu (pouco), mas a proposta de exclusividade não mudou. Ser sócio é sinal de status; tornar-se sócio, uma dificuldade. 

Clube Athlético Paulistano

Não menos tradicional e fechado do que o Harmonia, o Paulistano foi fundado em 1900 pela família de Martinico da Silva Prado, que queria valorizar a cultura da educação física no país, curiosamente no início era frequentado apenas por homens. 

Mudou-se para a sede atual em 1917 e é reconhecido pela variedade de modalidades esportivas que oferece, qualidade de sua natação e beleza de sua piscina social, desenhada pelo arquiteto Gregori Warchavchik.

Treino de nado borboleta.
Foto: divulgação COB

Esporte Clube Pinheiros

É também no Jardim Europa que está o maior clube poliesportivo da América Latina, o Esporte Clube Pinheiros, instalado em uma área de 170 mil metros quadrados, sendo 80 mil metros quadrados de área verde preservada. 

O Pinheiros é reconhecido pela qualidade e seriedade na formação de atletas, responsável por trazer 12 medalhas olímpicas para o Brasil e sua seleção de pólo aquático participou de várias Olimpíadas.

Pólo aquático, um jogo masculino e feminino.
Foto: divulgação

Clube A Hebraica

Ainda nas redondezas, a Associação Brasileira “A Hebraica”, ou simplesmente Hebraica, surgiu em 1953 quando um grupo de sete chefes de família sentiu a necessidade de criar uma associação recreativa, social, cultural e esportiva. Alguns importantes esportistas brasileiros fizeram parte das equipes do clube.

Legislação

Foto: Carlos Barretta/Google Image

O Jardim Europa, junto com seus pares Jardim América, Paulista e Paulistano, forma o primeiro conjunto urbano tombado pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo), o que significa que existem regras rígidas de proteção dos “bairros-jardins”.

Tais regras começam por garantir a exclusividade do uso residencial unifamiliar e a valorização da propriedade; o traçado das ruas e praças contidas entre os alinhamentos dos lotes; a vegetação arbórea; e as linhas demarcatórias dos lotes que garantem o baixo adensamento populacional tão importante quanto o traçado urbano. 

Além dessas, existem a altura das edificações, dos muros, os recuos frontais e laterais, entre outros pontos. No site da prefeitura de São Paulo é possível pesquisar informações sobre a lei de zoneamento do Jardim Europa e, na plataforma Geosampa, você encontra o mapa digital da cidade aberto para consulta. 

O Jardim Europa e seus pares são considerados um pulmão verde de São Paulo de extrema importância para a qualidade de vida da cidade. São essas normas que fazem esses bairros tão únicos e especiais.

Gostou deste conteúdo? Fique por dentro de temas como este assinando a nossa newsletter, você receberá as novidades do blog direto na sua caixa de entrada!

Oportunidades

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to top
Close Bitnami banner
Bitnami